Simpatectomia no tratamento do suor excessivo

Simpatectomia é um tratamento cirúrgico contra hiperidrose que prevê a ressecação da porção do sistema simpático que estimula a produção do suor excessivo. Eficaz contra todos os tipos de hiperidrose, a simpatectomia tem como alvos os gânglios T3 e T4 no caso de hiperidrose palmoplantar e T4 e T5 para hiperidrose axilar.

ganglios do sistema nervoso simpático causadores do suor excessivo

Dentre várias outras funções de equilíbrio corporal, o sistema nervoso simpático é responsável por induzir as glândulas sudoríparas a produzirem suor. Contudo, por causas desconhecidas, um hiperestímulo por parte desse sistema leva as glândulas sudoríparas a produzirem o suor excessivo.

Este distúrbio não é classificado como doença, causando apenas problemas sociais. A cirurgia de simpatectomia não cura a hiperidrose, ele é apenas um tratamento do suor excessivo. Todos os tratamentos contra esse desequilíbrio agem diretamente no foco do problema, impedindo a sua manifestação.

Como o suor excessivo ultrapassa a necessidade de termorregulação, impedir o funcionamento de parte do sistema nervoso simpático não é prejudicial ao equilíbrio da temperatura corporal. Porém, existem relatos de hiperidrose compensatória. Quando o suor excessivo passa a ocorrer em outras partes do corpo.

A simpatectomia requer um dia de internação hospitalar, mas não exige maior tempo de afastamento das atividades diárias.


 Links

 Como Chegar Moema SP


Exibir mapa ampliado

 Unidades

RJ:Av. das Américas, 3301. Bloco 4, sala 301 - RJ

RJ (21) 4063-8333

SP: Alameda Maracatins, 1435, conj. 206/207 Moema

SP (11) 4063-3338

PE: Rodovia PE-009, s/n - Recife - Pernambuco - PE

PE (81) 4062-9919

 Receber Notícias





Todos direitos reservados 2017 .
Responsável técnico médico:
RJ Dra. Gina Matzenbacher CRM-RJ 854492/RQE 20820
SP Dr. Roberto Chacur CRM-SP 124125/RQE 33433
PE Dr. Roberto Chacur CRM-PE 22670
*As informações contidas neste site têm caráter informativo e educacional e de nenhuma forma devem ser utilizados para autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação. Quando houver dúvidas, um médico deverá ser consultado. Somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina.