Hiperidrose

Hiperidrose é a síndrome do suor excessivo, que vai além da necessidade de termorregulação. A hiperidrose não tem relação direta com calor ou com a falta de higiene, e não causa mau cheiro. O tratamento para o suor excessivo pode ser feito de forma não invasiva e com rápida recuperação.

Nosso corpo expele suor toda vez que a temperatura interna do organismo esta elevada. É o que chamamos de termorregulação. Esta atividade pretende manter constante nossa temperatura corporal apesar de estímulos externos contrários.

No entanto, a hiperidrose não tem relação com o processo de estabilizar a temperatura interna dos órgãos. Ela é causada por uma disfunção do sistema nervoso simpático, que envia uma alta quantidade de estímulos para as glândulas sudoríparas causando um suor excessivo.

Divididas entre apócrinas e écrias, as glândulas sudoríparas, expelem um suor excessivo composto essencialmente por água. Por isso, a hiperidrose não causa mau cheiro. Somente em casos de bromidrose há ocorrência de odor desagradável. Característico do suor gorduroso das glândulas sudoríparas apócrinas, presentes nas axilas e região genital.

Entre as diversas opções para o tratamento do suor excessivo (hiperidrose) nas mãos está a inoculação de toxina botulínica, que paralisa o envio de estímulos nervosos para as glândulas sudoríparas. Saiba mais sobre o tratamento do suor excessivo com toxina botulínica.


 Links

 Como Chegar Moema SP


Exibir mapa ampliado

 Unidades

RJ:Av. das Américas, 3301. Bloco 4, sala 301 - RJ

RJ (21) 4063-8333

SP: Alameda Maracatins, 1435, conj. 206/207 Moema

SP (11) 4063-3338

PE: Rodovia PE-009, s/n - Recife - Pernambuco - PE

PE (81) 4062-9919

 Receber Notícias





Todos direitos reservados 2016 .
Responsável técnico médico:
RJ Dra. Gina Matzenbacher CRM-RJ 854492/RQE 20820
SP Dr. Roberto Chacur CRM-SP 124125/RQE 33433
PE Dr. Roberto Chacur CRM-PE 22670
*As informações contidas neste site têm caráter informativo e educacional e de nenhuma forma devem ser utilizados para autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação. Quando houver dúvidas, um médico deverá ser consultado. Somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina.