Tratamento Suor Excessivo

O suor excessivo é o resultado da ação das duas diferentes glândulas sudoríparas: écrinas e apócrinas. As glândulas écrinas, encontradas em todo corpo, são responsáveis pelo equilíbrio da temperatura corporal, enquanto as apócrinas, localizadas principalmente nas axilas e na área genital, produzem o suor gorduroso e causador do mau cheiro.

A hiperidrose caracteriza-se pelo suor excessivo além das necessidades fisiológicas. Estima-se que essa condição afete 3% da população, tornando-se um incômodo para 21% desta amostra. A tabela abaixo pode ajudar a entender como o problema atinge as pessoas e a escolher o tratamento do suor excessivo correto para cada caso.


tabela com escala da gravidade do suor excessivo


Devido ao grande incômodo causado pela hiperidrose, existem diversos estudos que buscam encontrar alternativas para essa condição. Dentre eles, o tratamento do suor excessivo com tecnologia de micro-ondas consegue reduzir a hiperidrose significativamente de forma não invasiva e permanente. O vídeo abaixo explica como funciona o procedimento.


Tratamentos para Suor Excessivo

Tópicos: Existem diversas medicações tópicas no mercado que auxiliam a diminuir o suor, como soluções com 12% até 20% de cloridrato de alumínio. O alumínio é responsável pela obstrução temporária do ducto glandular, podendo ser um método efetivo, mas que pode promover irritação cutânea, principalmente axilar, além de poder perder eficácia com o tempo.

Oral: Tratamento oral com uso de anticolinérgicos, como o cloridrato de oxibutinina, que podem ser utilizados sozinhos ou combinados. Entretanto, poucos estudos foram realizados demonstrando eficácia, além de apresentar, como efeito colateral, boca e olhos secos, perda no controle da bexiga urinária e aumento da peristalse gástrica (intestino preguiçoso).

Iontoforese: correntes elétricas são conduzidas em bacias de água gerando uma sensação de formigamento em mãos ou pés. Os pequenos choques contraem as glândulas sudoríparas impedindo o seu funcionamento. O procedimento é aprovado pela agência norte-americana de medicamentos, mas seus efeitos tem curta duração. A iontoforese pode gerar rachadura e bolhas na pele e só deve ser realizado por profissional especializado.

Liposucção: as glândulas sudoríparas são sugadas através de dois orifícios minimanente invasivos após anestesia local com sedação. Seguem-se cinco dias de repouso leve com curativo e/ou bandagem compressiva, após esse período o paciente é liberado para abrir e rotacionar o ombro, podendo voltar as suas atividades diárias e praticar exercícios leves. Dentro de 20 dias não há mais limitações. Raramente o procedimento precisa ser refeito. Apesar de deixar pequenas cicatrizes sem necessidade de internação e ter baixo risco de necrose, hematoma, infecções, retrações de pele, tecido subcutâneo ou alterações nos movimentos, a principal queixa quanto ao procedimento de liposucção é o retorno do problema dentro de cerca de seis meses.

Toxina Botulínica: consiste no bloqueio do estímulo das glândulas sudoríparas. É um procedimento realizado no consultório médico, sem grandes riscos de efeitos colaterais ou de desconfortos, entretanto, o efeito dura apenas entre seis e oito meses.

Simpatectomia: cirurgia realizada com anestesia geral e em ambiente hospitalar. Com o auxílio de uma câmera e de um eletrocautério, o cirurgião penetra na caixa torácica, cauterizando o nervo responsável pelo estímulo nervoso simpático das glândulas écrinas. Esse tratamento apresenta resultados permanentes, principalmente se comparado à toxina botulínica. Entretanto, é um procedimento cirúrgico invasivo, que apresenta riscos, como a sudorese compensatória.

Micro-ondas: o tratamento do suor excessivo nas axilas com micro-ondas é realizado ambulatorialmente e tem rápida recuperação. Através das micro-ondas emitidas por um aparelho fruto de cinco anos de estudos norte-americanos é possível selar as glândulas sudoríparas e impedir a produção do suor excessivo. Tudo isso sem prejudicar a camada mais superfifical da pele que é mantida refrigerada durante todo o processo.

tabela do tratamento do suor excessivo


O suor excessivo não é uma doença, pois não causa mal estar físico. Seus sintomas afetam apenas o convívio social. A hiperidrose pode ser motivo de preconceito por quem não conhece suas causas. Ao contrário do que muitos pensam, o suor excessivo não está relacionado ao calor anormal ou má higiene; e na maioria dos casos não provoca mau cheiro. O fenômeno que causa o odor desagradável é chamado de bromidrose e acontece apenas no suor excessivo nas axilas.

 Links

 Como Chegar Moema SP


Exibir mapa ampliado

 Unidades

RJ:Av. das Américas, 3301. Bloco 4, sala 301 - RJ

RJ (21) 4063-8333

SP: Alameda Maracatins, 1435, conj. 206/207 Moema

SP (11) 4063-3338

PE: Rodovia PE-009, s/n - Recife - Pernambuco - PE

PE (81) 4062-9919

 Receber Notícias





Todos direitos reservados 2016 .
Responsável técnico médico:
RJ Dra. Gina Matzenbacher CRM-RJ 854492/RQE 20820
SP Dr. Roberto Chacur CRM-SP 124125/RQE 33433
PE Dr. Roberto Chacur CRM-PE 22670
*As informações contidas neste site têm caráter informativo e educacional e de nenhuma forma devem ser utilizados para autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação. Quando houver dúvidas, um médico deverá ser consultado. Somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina.